Autor: Karel Luketic

Carteira Recomendada XP

A Carteira é composta por 10 papéis que acreditamos que, em conjunto, podem performar melhor do que a Bolsa no horizonte de médio prazo. Buscamos ações que podem surpreender positivamente e, assim, levar ao investidor que nos segue uma rentabilidade superior ao nosso índice de referência, o Ibovespa. A carteira é publicada no 1° dia útil de cada mês e é composta por 10 papéis com uma análise para os ativos sugeridos, a comparação do seu desempenho com o Índice Bovespa (Ibovespa) e os fatores que nos levaram a escolhê-los

Mudanças Extraordinárias no Portfólio de Outubro:

 

(1)Saída de Cemig e entrada de Gerdau– Após sólida performance no mês, decidimos remover as ações da Cemig da carteira (e rebaixar a recomendação para Neutro) devido a complexidade de processo de privatização da companhia. Substituímos as ações pelas da Gerdau, com mesmo peso, capturando uma dupla exposição a melhores cenários tanto no âmbito doméstico como global.

Redução em Bradesco, aumento em Vale – Após sólida performance no mês, decidimos realizar parte dos ganhos e diminuir nossa exposição a Bradesco de 15% para 10%, apesar de manter uma perspectiva positiva nas ações. Em contrapartida, aumentamos o peso de Vale de 10% para 15%, de modo a capturar uma potencial recuperação de preços de commodities após o encontro do G20

Carteira Recomendada XP: +26,3% desde Julho

A Carteira Recomendada XP acumula alta de +26,3% desde seu início em julho, 3,3% a mais que o Ibovespa. No último mês, acumulou alta de 2,5%, onde um cenário internacional mais adverso trouxe volatilidade a nomes expostos a commodities como Petrobras e Vale, mas mais do que compensado por nomes domésticos como BTOW, BBDC e CMIG, seguindo sinais positivos do governo.

 

Composição da carteira: Os 10 papéis e o porquê de estarem na carteira

B2W (BTOW3) – peso de 5% na carteira

Recomendamos COMPRA das ações da B2W, com Preço-Alvo de R$ 36,0 / ação. Esperamos que os frutos da evolução de sua plataforma e crescimento do marketplace devam continuar a serem colhidos no próximo ano. Além disso, a B2W lançou recentemente a Ame Digital, plataforma para fazer compras inicialmente nas suas próprias marcas, carregar saldos e fazer transferências, sendo uma importante ferramenta para reter capital que circula no ecossistema da empresa e grande potencial de valor, na nossa visão. Dentro da nossa carteira, vemos B2W como exposta a atividade no Brasil, e parte de uma tese secular e disruptiva de aumento na participação do e-commerce no país, que ainda é incipiente, assim como de inovação nos meios de pagamento.

Link para a tese de B2W

Banco do Brasil (BBAS3) – peso de 15% na carteira

Nossa recomendação para as ações do Banco do Brasil (BBAS3) é COMPRA, com Preço-Alvo de R$ 51,0 / ação. Vemos a atual gestão comprometida com um aumento gradual na rentabilidade, índices de capital sólidos e dividendos acelerando, após uma assertiva lição de casa. Apesar do nosso analista ter um Neutro no Banco do Brasil baseado na incerteza eleitoral, ajustamos esse risco à medida que o peso de bancos na nossa carteira (15% por meio do BB) é menor em relação ao peso do setor no Ibovespa (24,5%). Portanto, num cenário adverso, mesmo se o Banco do Brasil cair mais do que os outros bancos, parte desta queda é absorvida na nossa carteira em relação ao índice por termos menor exposição ao setor como um todo.

Link para a tese do Banco do Brasil

Bradesco (BBDC4) – Peso de 10% da carteira

Recomendamos a COMPRA das ações do Bradesco (BBDC4), com Preço-Alvo de R$40,0 / ação. A recomendação se baseia em: (1) cenário de recuperação da economia e aumento da concessão de crédito; (2) disciplina no corte de despesas operacionais e (3) múltiplos negociando abaixo do valor que acreditamos ser justo.

Link para a tese de Bradesco

BRF (BRFS3) – Peso de 10% da carteira

Recomendamos COMPRA das ações da BRF. A empresa vem passando por uma fase de muitos desafios operacionais, porém recentemente anunciou um plano de reestruturação, que compreende venda de ativos, ajustes nas unidades fabris a fim de melhorar sua estrutura de capital e simplificação da estrutura organizacional. Com isso, esperamos que as ações sejam impulsionadas pela reconquista gradual da confiança e percepção de risco diminuindo gradualmente ao longo do tempo.

Link para tese de BRF

BRmalls (BRML4) – peso de 5% na carteira

Temos recomendação neutra para as ações de BR Malls. Reconhecemos que o setor possui alavancagem à recuperação econômica, que existe potencial de crescimento via aquisições e que a estrutura de capital hoje está mais adequada à realidade financeira da empresa. As ações de BR Malls underperformaram o índice em mais de 15 p.p. desde o início do ano, e o nível de preço hoje é interessante. Dada a resiliência do setor em meio a uma recuperação econômica ainda tímida e incerta, acreditamos que o gap possa ser reduzido. Porém, esperamos crescimento tímido de receitas no médio prazo, e portanto temos uma recomendação neutra para os papéis.

Link para a tese de BRmalls

Gerdau (GGBR4) – peso de 5% na carteira

Recomendamos a COMPRA das ações da Gerdau, com preço alvo de R$ 22,5 / ação. Nossa tese se baseia em 3 pontos principais: (1) Recuperação de margem no Brasil acelerando; (2) Estados Unidos em tom de melhora e (3) queda na alavancagem acelerando, com múltiplo descontado, negociando próximo a 20% de desconto em relação ao valor que consideramos justo.

Link para a tese de Gerdau

Localiza (RENT3) – peso de 10% na carteira

Recomendamos COMPRA das ações da Localiza, com Preço-Alvo de R$ 29,0 / ação. Temos um viés positivo e recomendação de compra para as ações da Localiza, sustentados (1) pelo tamanho e pelo posicionamento de mercado, que garantem vantagens competitivas como diluição de custos e custo de capital mais baixo, (2) pelo balanço saudável, que dá à empresa margem para competir e crescer, (3) sólido histórico de execução e retornos, (4) alavancagem do setor à atividade econômica e (5) tendência estrutural de consolidação do setor. Dentro da nossa carteira, a Localiza é um dos papeis com gestão de qualidade, que se beneficia de uma potencial recuperação econômica e que vemos em um ponto de entrada interessante.

Link para a tese da Localiza

Petrobras (PETR4) – peso de 15% na carteira

Temos recomendação NEUTRA nas ações da Petrobras, com Preço-Alvo de R$ 33,0 / ação. Apesar de continuarmos cautelosos com relação aos fundamentos da companhia após a greve dos combustíveis, três pontos embasam a inclusão das ações na nossa carteira: (1) adquirir exposição a uma possível melhora de sentimento com maior visibilidade no cenário para as eleições, (2) potencial aprovação do projeto de lei da Cessão Onerosa e (3) a continuidade efetiva da política de preços de combustíveis no curto prazo mediante o pagamento de subsídios.

Link para a tese da Petrobras

Ultrapar (UGPA3) – peso de 10% na carteira

Temos recomendação de compra nas ações da Ultrapar com preço-alvo de R$54,0 / ação. Nossa tese se ancora nos seguintes pontos: (1) potencial recuperação de participação de mercado e maior geração de caixa com a revisão da estratégia comercial da Ipiranga, (2) surpresas positivas em resultados por recuperação de mercado de postos bandeira branca e melhores margens na divisão petroquímica e (3) níveis atrativos de múltiplos, com a ação negociando em linha com a par BR Distribuidora apesar de sua maior eficiência.

Link para a tese de Ultrapar

Vale (VALE3) – peso de 15% na carteira

Recomendamos a COMPRA das ações da Vale, com preço alvo de R$ 70 / ação. Três pilares sustentam a tese positiva: (1) cenário de minério de ferro e níquel construtivo e acima das expectativas de consenso, (2) mercado conservador, múltiplo descontado e à véspera do maior ciclo de dividendo da historia da empresa e (3) a Vale se beneficia de um cenário adverso, já que ganha com a alta do Dólar, portanto é um papel interessante no atual cenário de incerteza, trazendo proteção.

Link para a tese de Vale

 

 

Análises da Carteira Recomendada XP